Empresa suíça promete bateria de carro elétrico com 1.000 quilômetros de autonomia

Hoje em dia, um dos principais aspectos da configuração técnica de um carro elétrico é a sua bateria.

Sempre que um novo veículo é anunciado, fala-se da sua autonomia como falamos do consumo de combustível em carros com motores a combustão.

Agora, uma empresa suíça anunciou que, em breve, lançará no mercado uma bateria com o potencial de colocar todas as outras no bolso, com 1.000 quilômetros de autonomia.

Se interessou? Então continue lendo!

Como funciona a bateria de 1.000 quilômetros de autonomia

O projeto dessa bateria “milagrosa” é da Innolith AG, uma startup suíça focada no desenvolvimento de baterias para carros elétricos.

O segredo do projeto é a densidade energética da bateria, que é muito maior que a atual.

A ciência por trás da novidade é complicada, mas envolve o uso de materiais de reação de conversão. Atualmente, se usa outro tipo de material, com componentes intercalados.

Segundo o estudo feito pela Innolith, as baterias alcançam a marca de 1.000 Wh/kg de densidade. Isso significa, na prática, que um 1 quilo de bateria teria 1 kWh de densidade energética.

Para se ter uma noção do feito, imagine o Hyundai Kona, um compacto elétrico lançado recentemente pela Hyundai.

A sua bateria de lítio tem 64 kWh de potência. Para alcançar isso, porém, a bateria pesa 457 quilos, mantendo uma relação de 0,14 kWh/kg. Enquanto isso, a bateria da Innolith conseguiria a mesma potência pesando somente 64 quilos.

E, com uma bateria mais leve, seria possível que o carro fosse mais veloz e com maior autonomia.

A própria Innolith estima que, pegando um carro elétrico padrão do mercado atualmente e trocando suas baterias por versões da Innolith, o veículo conseguiria atingir os 200 kWh de potência, sem dúvidas.

Se o consumo médio for de 15 kWh por 100 quilômetros, a bateria conseguiria andar 1.300 quilômetros com a sua carga completa.

Para se ter uma noção da capacidade disso, uma carga desse carro daria para dirigir de São Paulo até Brasília e ainda sobraria um pouco para rodar pelo menos mais 300 quilômetros.

É muita potência, coisa que nenhum veículo elétrico no mercado tem atualmente.

Isso sem falar no seu peso. Uma bateria dessas pesaria 200 quilos, metade da bateria de lítio do Hyundai.

Para completar, se você estava achando que a bateria da Innolith era boa demais, ainda tem um “detalhe”.

Segundo a empresa suíça, os componentes químicos dessa bateria são inorgânicos. Isso significa que a bateria não prejudicaria o meio-ambiente depois do seu uso, ao contrário de baterias atuais, que usam minerais como o cobalto.

“Ah, mas a bateria assim seria cara demais”, você pode estar se perguntando.

Na verdade, não: segundo a Innolith, ela seria mais barata que as baterias tradicionais.

Segundo a empresa, o único problema dessas baterias é que elas não poderiam usar tecnologias de carregamento extraordinário, apesar da sua elevada densidade.

Então, elas demorariam para carregar o mesmo tempo que as baterias atuais, dependendo mais da capacidade do carregador do que delas.

Mesmo assim, compensa usar uma bateria dessas pela autonomia, leveza, preço e cuidado com o meio ambiente, não é mesmo?

Segundo a Innolith, a produção comercial dessa bateria deverá ser iniciada daqui 3 ou 4 anos.

E aí, o que achou da novidade? Conte pra gente nos comentários abaixo!

Compartilhe

DEIXE O SEU COMENTÁRIO